Tecnologia é prioridade para 69% das empresas no Brasil

Fonte: IP News

Mas apenas 31% investirão em TI em 2013.

Um estudo realizado pelo instituto de pesquisas do The Economist, “Economist Intelligence Unit (EIU) com executivos de países desenvolvidos e emergentes mostra que as economias em desenvolvimento buscam a tecnologia para melhorar os negócios, e no Brasil, para 69% das empresas essa é uma das principais prioridades, embora 31% afirmem que investirão em TI em 2013.

A retenção de talentos foi mostrada na pesquisa como a segunda prioridade (para cerca de 62%) do setor corporativo no próximo ano, e em média 50% afirmaram que a burocracia do país e regulamentação são uma barreira para o crescimento; 36% consideram a falta de apoio do governo às PMEs uma dificuldade. “Os empreendedores e as PMEs contribuem com a economia brasileira. Atualmente, são responsáveis por 20% do PIB nacional e respondem por mais de 60% dos empregos existentes”, afirma a vice-presidente de vendas, ecossistema e canais da SAP Brasil, Sandra Vaz.

O estudo ainda mostra que é preciso criar mais de 500 milhões de empregos no mundo até 2020 para garantir oportunidades de carreira para os atuais desempregados e para os jovens que entrarão no mercado de trabalho e grande parte desse desafio recairá sobre os países em desenvolvimento, incluindo o Brasil.

As PMEs afirmaram que pretendem cumprir os planos de crescimento com a contratação de pessoas e para o próximo ano e os gerentes de PMEs em todas as economias disseram que a expansão dos negócios para novos mercados é uma das principais prioridades. Nos países desenvolvidos, 28% dos executivos entrevistados concordaram que precisam entrar em mercados estrangeiros para manter a vantagem competitiva e 22% dos entrevistados em economias emergentes acreditam nessa linha de investimento.

“Os resultados da pesquisa revelam um grau de confiança entre os gestores das PMEs de que podem registrar crescimento no período que se aproxima”, conta o editor colaborador da Economist Intelligence Unit, Christopher Watts, analisando a pesquisa on-line. “Dado o papel fundamental das PMEs na condução das economias desenvolvidas e emergentes, essa confiança é um sinal positivo”.